Projeto Alma Brasileira ressalta história da música urbana do Brasil

    0
    8

    Trio faz apresentações gratuitas em Caxias do Sul

    Origens e gêneros da música urbana do Brasil. Essa é a essência do projeto Alma Brasileira, um espetáculo que mostra a música dos grandes centros urbanos do país durante o período Imperial até o início do Século XX. Após realizar três apresentações no mês de julho, uma em Porto Alegre, uma em Teutônia e uma em Caxias do Sul, o grupo segue com performances na cidade. O palco da apresentação, que ocorre em 14 de agosto, às 20h, será na Igreja Sagrada Família, localizada na rua Conselheiro Dantas, s/nº.

    O grupo, composto pelo trio de músicos Paulo Ferreira, no trombone, Douglas Gutjahr, na percussão, e Fernando Rauber Gonçalves, no piano, busca mostrar parte da rica herança cultural que torna a música brasileira mundialmente apreciada, e resgatar gêneros que serviram como base para a formação da identidade da nossa música popular. Assim, os recitais serão compostos por maxixes, valsas, choros, polcas, tangos brasileiros, canções e o samba carnavalesco do início do século XX.

    O Alma Brasileira tem como principal objetivo apresentar ao público como se deu a formação da identidade dos gêneros da música brasileira por meio da miscigenação de elementos africanos, europeus e indígenas, utilizando como ponto de partida o lundu e a modinha. Com isso, durante as performances musicais, a ideia é mostrar para o público esse importante aspecto da cultura brasileira utilizando também elementos audiovisuais e adereços folclóricos.

    O projeto é financiado pelo Financiarte, da Prefeitura de Caxias do Sul, e prevê, ainda, além do dia 14.08, mais três apresentações, em Caxias do Sul.

     

    Perfil dos músicos

     

    Paulo Fernando Ferreira (trombone): começou a atuar como trombonista em 1985. Desde lá, tocou em diferentes orquestras e projetos. Atualmente é coordenador do naipe de metais e primeiro trombone-solo da Orquestra Sinfônica da UCS (OSUCS), membro do Quinteto de Metais da OSUCS e da Orquestra Municipal de Sopros de Caxias do Sul (OMSC).

    Fernando Rauber (piano): atua como docente no Curso de Licenciatura em Música da Universidade de Caxias do Sul (UCS) e como pianista na Orquestra Sinfônica da UCS. É doutor em música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente tem se destacado pela sua intensa atividade de música de câmera com diversas formações instrumentais. Também colaborou com os grupos Trio Antares, Trio a Tempo, Quinteto de Sopros 4.1, Quinteto de Metais da OSUCS, Coro Cant’arte, Coro Sinfônico da OSPA.

    Douglas Gutjahr (percussão): graduou-se em Percussão em 2004, pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Foi membro da Orquestra Jovem Mundial (JMWO) nos anos de 2007 e 2008. Em 2016 lançou seu primeiro CD, intitulado Brasil (Re)Percussivo, recebendo quatro indicações e o prêmio de Melhor Instrumentista Erudito no Prêmio Açorianos de Música. Como baterista, já acompanhou importantes nomes do cenário musical brasileiro, entre eles Gilberto Gil, Fafá de Belém e Maria Rita. Atualmente é timpanista da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre e da Orquestra Sinfônica da Universidade de Caxias do Sul.

     

    Repertório

     

    Anônimo – Lunda da cachaça (Lundu)

    Chiquinha Gonzaga (1847-1935) – Meu deus que maxixe gostoso (Maxixe)

    Cândido Ignácio Da Silva (1800-1838) – Quando as glórias que Gozei (Modinha)

    Anacleto de Medeiros (1866-1907) – Terna Saudade (Valsa)

    Chiquinha Gonzaga (1847-1935) – Dueto Luminárias e o Diabo (Maxixe)

    Atribuído à Xisto Bahia (1841-1894) – Iaiá você quer morrer (Lundu)

    Henrique Alves de Mesquista (1830-1906) – Ali-Babá (Tango Brasileiro)

    Chiquinha Gonzaga (1847-1935) – Atraente (Tango Brasileiro)

    Ernesto Nazareth (1863-1934) – Beija-Flor (Tango Brasileiro)

    Carlos Gomes – Quem Sabe?! (Modinha)

    Ernesto Nazareth (1863-1934) – Saudade dos Pagos (Canção)

    Zequinha de Abreu (1880-1935) – Branca (Valsa)

    Ernesto Nazareth (1863-1934) – Brejeiro (Tango Brasileiro)

    Ernesto Nazareth (1863-1934) – Mariazinha sentada na pedra (Samba carnavalesco)

     

    Agenda dos recitais

     

    • 14/08 – terça-feira – 20 horas – Igreja Sagrada Família – Rua Conselheiro Dantas, s/nº – Sagrada Família – Caxias do Sul /RS
    • 25/08 – sábado – 21 horas – Centro Municipal de Cultura Ordovás – Série Grandes Nomes |Semana da Fotografia e encerramento do Caxias em Cena.
    • Além dessas, há mais duas datas a confirmar em Caxias: no  Sesc – Caxias do Sul e na Biblioteca Parque Largo da Estação.